7 motivos para assistir The 100


Olá leitores! 
Você conhece a série norte americana The 100 ? Fiz um post aqui no blog explicando do que se trata e com curiosidades, se você ainda não viu, clique aqui e leia!
Se você conhece, mas ainda não assiste, vou te dar alguns motivos para assistir!

Vem comigo!

1. É uma história pós apocalíptica.



Se você é apaixonado(a) por distopias como eu, ou leu Jogos Vorazes/Divergente e ficou com um gostinho de "quero mais", essa série é pra você! 
A série começa 97 anos depois de um apocalipse nuclear dizimar o planeta Terra. Os sobreviventes moram em uma estação espacial, mas como a população foi aumentando, os recursos foram diminuindo e para resolver isso, o Conselho resolveu enviar 100 jovens que estavam presos (por diversos crimes) na estação para a Terra, pois a radiação já havia acabado por lá. E assim a história vai se desenvolvendo e eles descobrem que não estavam sozinhos na Terra.

2. Tem personagens LGBT e de diversas etnias e estilos.




Um das personagens principais, a Clarke, é bissexual. E uma das principais "grounders" (o povo que já habitava a Terra, quando os 100 chegaram) é negra e é uma personagem bem importante.
Além dessas personagens, temos a líder dos "grounders", a Lexa, que é homossexual.
Isso demonstra que a série se preocupa em fazer com que seus telespectadores se identifiquem com os personagens.

3. São as mulheres quem mandam.



Na série também tem homens liderando, mas são as mulheres que se destacam mais. Elas tomam as decisões mais difíceis, lideram seu povo sozinhas e lutam (literalmente).
Podemos destacar a Lexa (maior comandante grouder que você respeita); a Clarke (sempre tenta salvar todo mundo e mesmo assim brigam com ela) e a Octavia (maior guerreira que você respeita).

4. Tem uma língua criada somente para a série.



O idioma Trigedasleng foi criado exclusivamente para os personagens "grounders". No vídeo acima é explicado mais sobre esse idioma.

As frases mais conhecidas da série na "língua dos grounders":
Jus drein jus daun! = Sangue se paga com sangue! (Vingança)
Yu gonplei ste odon. = Sua luta acabou. (Quando alguém morre)
Mebi oso na hit choda op nodotaim. = Que possamos nos encontrar novamente. (Quando alguém vai embora)

CURIOSIDADE: A linguagem foi desenvolvido para a 2ª temporada da série pelo linguista David J. Peterson, que também fez os idiomas Dothraki e Valyrian de Game of Thrones. (Fonte)

5. As cenas de ação são as melhores.


Tem cenas com espada também! As cenas de lutas são muito bem feitas e deixam a gente sem fôlego!

6. Os plot twits são de tirar o fôlego


O que tira o nosso fôlego também são os plot twists, ou seja, as reviravoltas, as revelações! A série vai nos mostrando respostas para as perguntas que ficam em nossa mente. E isso é um dos motivos do porque amo essa série!

7. Os personagens evoluem durante as temporadas


Se no começo a série parecia aquele clichê adolescente, com o tempo se mostrou bem diferente. Alguns personagens amadureceram e evoluíram, uns para melhor e outros nem tanto (risos)! 
Com certeza você vai perceber essa evolução a partir da terceira temporada.

Lembrando que The 100 terminou sua quarta temporada nesse ano, mas já foi renovada para a quinta temporada, que será lançada em 2018. Você pode conferir as três primeiras temporadas na Netflix!

Você já conhecia a série ? Comenta aí!

Espero que tenham gostado!

Beijos e até a próxima <3

Filmes assistidos recentemente #1



Olá leitores! Hoje irei começar a postar sobre os filmes que assisti nos últimos dias e irei também comentar sobre eles. 

Vamos lá ?

Minha mãe é uma peça 2 
2006 (comédia, nacional)




O filme é a continuação de Minha mãe é uma peça - O filme, de 2013. É uma comédia nacional que tem como protagonista Dona Hermínia, interpretada pelo comediante Paulo Gustavo
Eu particularmente adoro comédias e assim como no primeiro filme, consegui me divertir muito assistindo. O roteiro é simples, as atuações são ótimas e as piadas são bem engraçadas. Ótimo filme para quem quer passar o tempo e ainda rir um pouco. 


Miss Simpatia 
2000 (ação, comédia, policial)



O filme é sobre uma agente do FBI que recebe a missão de se infiltrar no concurso de Miss Estados Unidos, a fim de evitar que um grupo de terroristas faça uma bomba explodir durante o evento. Mas a agente, Gracie, é totalmente o oposto das Misses: é desajeitada e se mete em muitas confusões. 
Adorei esse filme, pois além de ter aquele clichê de comédias que a gente tanto adora, também mostra uma personagem inteligente e que apesar das mudanças estéticas as quais teve de ser submetida a fazer para entrar no concurso, a mesma continuou com a sua essência e todo seu carisma!
E Sandra Bullock arrasou como sempre <3


La La Land - Cantando Estações

2016 (comédia, musical, romance)




O famoso filme que ganhou quase todos os prêmios do Oscar e Globo de Ouro e que todo mundo ficava comentando!
O longa conta a história da Mia, a qual se mudou para Los Angeles para ser atriz, e Sebastian, um pianista de jazz. 
É um filme fofinho, com muita música e dança. Acho que o mundo estava precisando de um filme musical atual, pois a gente só se contentava com os antigos (que são ótimos, por sinal). 
La La Land é um bom filme para aqueles dias chuvosos em que a gente tem vontade de ficar deitada(o) debaixo das cobertas assistindo TV!


É isso gente, espero que tenham gostado!
Na verdade eu assisti muitos filmes recentemente, mas coloquei apenas 3, senão o post ficaria enorme.

Me conta nos comentários quais filmes vocês viram recentemente e se já assistiram esses que citei no post!

Beijos e até a próxima <3

Resenha - Entre o Agora e o Nunca


Olá leitores!
Faz algum tempo que não tenho mais o hábito de ler uns 20 livros por ano como eu fazia, continuo lendo, mas com menos frequência do que antes e para não deixar o blog sem resenhas, resolvi convidar minha amiga Saiury, para escrevê-las para vocês!

Irei continuar postando resenhas, mas com menos frequência :)

Hoje a primeira resenha dela aqui no blog será sobre o livro Entre o Agora e o Nunca.
Confira!

Título: Entre o Agora e o Nunca (livro #1)
Autora: J.A. Redmerski
Editora: Suma de Letras
Nº de páginas: 368
Ano de lançamento: 2013
Onde comprar: Amazon | Saraiva

SINOPSE:


Camryn Bennett é uma jovem de 20 anos que desistiu do amor desde que Ian, seu namorado, morreu num acidente de carro há um ano. Sua melhor amiga, Natalie, é a única capaz de animá-la. Mas a relação entre as duas fica abalada quando o namorado de Nat revela à Camryn que está apaixonado por ela. Perdida, sem saber o que fazer, Camryn vai para rodoviária e pega o primeiro ônibus interestadual, sem se importar com o destino.
Com uma carteira, um celular e uma pequena bolsa com alguns itens indispensáveis, Camryn embarca para Idaho. Mas o que ela não esperava era conhecer Andrew Parrish, um jovem sedutor e misterioso, a caminho para visitar o pai, que está morrendo de câncer. Andrew se aproxima da companheira de viagem, primeiro para protegê-la, mas logo uma conexão irresistível se forma entre os dois.
Camryn tenta lutar contra o sentimento, já que jurou nunca mais se apaixonar desde a morte de Ian. Andrew também tenta resistir, motivado pelos próprios segredos. Narrado em capítulos que alternam as vozes de Andrew e Camryn, Entre O Agora e O Nunca é uma história de amor e sexo, na qual os personagens testam seus limites, exploram seus desejos e buscam o caminho que os levará à felicidade.

RESENHA:

Resenha escrita por Saiury Francescatto.

Como essa é minha primeira resenha para o blog, não sei exatamente o que falar, mas espero que esteja à altura e boa como as outras.

Enfim, devo confessar que desde o primeiro momento em que coloquei os olhos nesse livro foi paixão à primeira vista. Assim que li a sinopse imaginei minha própria vida, pois meu sonho sempre foi viajar. A história alterna entre Andrew e Camryn, assim sabemos o que cada um pensa do outro e ouvimos diferentes versões da história. A narrativa é maravilhosa, já que tem bastante palavrão e parece realmente que são os personagens que estão contando a história.

A atração entre os dois e modo como agem em relação ao outro é bastante intensa e meio que engraçada, já que ambos resistem à esse inevitável romance. É um dos meus livros favoritos, porque há uma maravilhosa playlist que aparece durante o decorrer da história, a qual já me tornei muito fã.


“Enfio os fones nos ouvidos e ligo o MP3, pondo no modo aleatório. O que vai ser? O que vai ser? Sempre deixo a primeira música determinar o clima. Tenho mais de trezentas faixas neste troço. Trezentos climas diferentes. Mas acho que meu MP3 é viciado, porque a primeira música quase sempre é Dust in the Wind, do Kansas, Going to California, do Zeppelin, ou alguma do Eagles.” (Andrew, pág. 81)
Com toda sua pose, seu atrevimento e (o que imagino ser) sorriso arrebatador de bad boy galante, Andrew é o personagem ideal para um romance que envolva rock, viagens e amores que destroem o coração. Não que a Camryn fuja dessa realidade, como bem descreve na sinopse, a história é também autoconhecimento e o modo como ela se autodescobre durante a narrativa é incrível. A meu ver, ambos amadurecem juntos e descobrem coisas sobre si mesmos que não tinham ideia. E é claro que a narrativa não tem nada de inocente, já que é um romance um tanto erótico (risos).

"O SEXO SEMPRE muda tudo. É como se você estivesse vivendo dentro de uma bolha onde tudo é seguro, só paquera, e muitas vezes previsível. Uma atração pelo tipo certo de pessoa pode durar para sempre quando o mistério da intimidade é mantido intacto, mas assim que você dorme com alguém, a segurança, a paquera e a previsibilidade costumam se transformar nos seus opostos. A atração vai acabar, agora? Ainda vamos nos desejar tanto quanto nos desejávamos antes de fazer sexo? E será que um de nós não está pensando secretamente que cometemos um grande erro e deveríamos ter deixado tudo como estava? Não. Sim. E não. Sei disso porque sinto. Não é excesso de confiança nem o sonho iludido de uma jovem inexperiente e insegura. É um fato óbvio: Andrew Parrish e eu tínhamos que nos encontrar naquele ônibus no Kansas." (Camryn, pág. 280)

 A resistência em que ambos têm de se entregar só faz com que o leitor queira saber mais sobre a história e eu mesma, quando li esse livro, me senti assim. Devo ter lido em apenas 3 dias, pois sou um tanto curiosa para saber como a história acaba! O único ponto ruim sobre esse incrível mundo de Andrew e Camryn é que não mostra muito sobre a relação que ambos têm com seus familiares, apenas comentários e leves desentendimentos, o que me deixa com a pulga atrás da orelha para saber mais sobre os irmãos de Andrew e sobre como a amizade entre Camryn e Natalie aconteceu e se desenvolveu ao longo do tempo, já que ambas são totalmente diferentes.

Para finalizar, eu afirmo que guardei esse livro no meu coração e espero que os leitores que estiverem dispostos a encarar esse romance, guardem também

A continuação dele, Entre o Agora e o Sempre, também não é de se jogar fora, e logo, logo teremos a resenha dele aqui.

Minha nota: 4,5/5


E vocês, já conheciam o livro ? Já o leram ? Comentem!

Espero que tenham gostado!

Beijos e até a próxima <3

Top 5 - As melhores amizades da ficção



Olá leitores!
Hoje é o dia do amigo e para não deixar a data passar em branco, trouxe um top 5 das melhores amizades da ficção, em minha opinião.

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva do grupo no Facebook Café com Blog.

Preparados ? Então vamos lá!

1. Harry, Rony e Hermione - saga Harry Potter




O que seria de Harry Potter sem Rony Weasley e Hermione Granger (principalmente a Hermione) ? Acho que ele não conseguiria descobrir e realizar nem a metade das coisas na saga. Falando nisso, o trio já passou por muitas coisas e mesmo assim continuavam juntos, afinal amizade é assim mesmo! 
Com certeza essa é a minha amizade fictícia preferida!

2. Aria, Hanna, Spencer e Emily - série Pretty Little Liars



Esse quarteto passou muita coisa (tortura psicológica) e mesmo assim continuavam juntas, se ajudando e sendo amigas. Por mais que -A sempre as derrubavam, elas conseguiam se reerguer e viver suas vidas.
Infelizmente a série acabou, mas sempre irei lembrar do carinho que elas sentiam umas pelas outras.

3. Percy, Annabeth e Grover - saga Percy Jackson



Aqui é praticamente a mesma coisa que em Harry Potter: o que seria do Percy sem a Annabeth e o Grover ? Eles se conheceram por acaso lá no primeiro livro e não se desgrudaram mais. Passaram por muitas aventuras juntos e isso os uniu ainda mais!

4. Rick e Daryl - série The Walking Dead



Eles se conheceram por acaso e brigaram logo no primeiro episódio que se viram, mas com o tempo começaram a se considerar irmãos e é isso o que me fez escolhê-los para esse top 5. Adoro o jeito como eles se protegem e por mais que tenham acontecido tragédias nas vidas deles, continuam fortes e unidos!

5. Scott, Stiles, Malia e Lydia - série Teen Wolf




Essa amizade é uma das mais fortes que já vi em séries. Eles sempre se juntam para derrotar os vilões que surgem em cada temporada e cada um tem uma habilidade (o Stiles também tem!). O que os une é o carinho que eles sentem um pelo outro e isso os protege contra os vilões!
Infelizmente a série vai terminar nesse ano, mas sempre irei lembrar desses personagens incríveis!


Você conhece esses personagens ? Quer acrescentar algum na lista ? Fique a vontade para comentar!

Espero que tenham gostado!

Beijos e até a próxima <3
® Inverno de 1996 | Layout por A Design